d

Quanto dura o período de atenção dos alunos em classe? A resposta pode variar em função da influência de diferentes fatores como a motivação, a emoção, o momento do dia ou o tipo de tarefa. É necessário se aprofundar na compreensão deste processo psicológico básico e na sua utilização em sala para harmonizar o ensino com a capacidade real dos alunos.

Como poderíamos melhorar e o que a ciência diz de tudo isso? A seguir, gostaríamos de propor algumas perguntas fundamentais como a relação da atenção com as metodologias de inovação em sala, e a importância dos primeiros momentos da aula. Por último, selecionamos dicas para melhorar o funcionamento da classe, levando em conta uma série de ideias simples. 

Atenção na classe e métodos de ensino ativo 

Com respeito à análise sobre o que acontece com a atenção em classe ao longo do tempo, um trabalho de pesquisa(Bunce, Flens e Neiles, 2010)analisou o uso de diferentes métodos de ensino em sala de aula (métodos ativos, demonstrativos ou mediante a proposição de perguntas e desafios) e mediu os momentos de atenção e desatenção dos alunos.Os estudantes poderiam apertar um botão cada vez que experimentassem um período de desatenção. Esse estudo mostrou três descobertas principais: Primeiramente, a duração dos períodos de atenção foi de aproximadamente 1 minuto. Em segundo lugar, os períodos de atenção foram mais frequentes do que a pesquisa havia encontrado até o momento. A atenção mostrou vários “picos” ao longo de períodos de aula de 10 minutos.Um primeiro pico 30 segundos antes de começar, outro aos 4,5 minutos, outro aos 7 minutos e outro aos 9 minutos. Em terceiro lugar, os pesquisadores encontraram uma relação positiva entre os níveis de atenção e as metodologias de ensino ativo.Durante as sessões com ensino ativo, os períodos de atenção foram maiores e mais numerosos do que durante as sessões baseadas em aula magistral.

O início da aula é fundamental

Segundo Jesús C Guillén, criador do site Escuela con Cerebro, lembramos melhor do que ocorre no início, por isso, o início da aula se transforma em um período crítico. Tradicionalmente, utilizamos os primeiros minutos das aulas para corrigir a lição de casa do dia anterior. No entanto, deveríamos usá-los para introduzir ou analisar conceitos mais novos e relevantes. Essa é a novidade que desperta a curiosidade que ativa as redes de atenção, alerta e orientação do aluno, e que servem para abrir o foco da atenção, não para mantê-lo. 

Como exemplo que destaca a importância da curiosidade no aprendizado, podemos iniciar uma aula ao modo socrático clássico, com uma pergunta provocadora relacionada com um problema real, que seja motivador e que permita ao aluno iniciar um processo de investigação do qual ele se sinta protagonista ativo.

Durante o início da aula, deveríamos despertar o interesse; no meio, poderíamos facilitar a reflexão através do trabalho cooperativo; e utilizar o final para revisar o que foi mais importante.

Recomendações para manter a atenção dos alunos durante a aula

A seguir, propomos uma série de dicas compiladas de diferentes autores – como Sara Saggan (informED), Tristan de Frondeville, David Reeves (Edutopia, 12) e Jesús C Guillén (Escuela con cerebro) –, com diversas ideias sobre como melhorar a atenção dos alunos em sala de aula.

1. Antes de dar instruções é importante seguir uma rotina para chamar a atenção dos alunos.

Segundo Tristan de Frondeville (2009), uma rotina que poderia funcionar bem seria: 

a) Conseguir silêncio total.

b) Pedir atenção completa.

c) Atrair toda a atenção para o professor (os dois olhos, os dois joelhos e o coração).

 Antes do silêncio total é bom avisar que eles podem conversar entre si, mas que faremos um sinal (contar até três em voz alta ou tocar um sino) para pararem de falar.

2. Começar com um aquecimento mental.

Propor um exercício ou um desafio na lousa, organizar equipes de três alunos e pedir para trabalharem juntos e levantarem a mão, quando tiverem resolvido o problema, desafio, pergunta ou atividade.

3. Introduzir mudanças com ciclos e paradas a cada 15 minutos aproximadamente.

A capacidade para sustentar a atenção varia entre 10 e 20 minutos (Tokuhama, 2011), o que significa que para aumentar a capacidade de atenção dos alunos, deveríamos trabalhar com blocos de não mais que 15 minutos. Esse sistema facilita o processamento e a consolidação da informação.

4. Utilizar o movimento para manter a concentração .                                                   

No Ensino Fundamental I: Bater palmas e os pés com um padrão, acompanhados de uma música ou versinho.

No Ensino Fundamental II: Criar um ritmo estalando os dedos e batendo palmas. Você servirá de modelo e os alunos devem repetir ou fazer eco do seu padrão. Varie o ritmo e os intervalos a cada 15-20 segundos.

5. Utilizar pequenas estratégias de supervisão de tempos ociosos.

Por exemplo: quando o professor está entregando um papel a cada aluno e isso pode provocar um tempo ocioso no qual começam a falar, poderiam ler as tarefas do dia, resumir por escrito uma ideia, algo que acabaram de ver na aula, no formato de um cabeçalho ou manchete, etc.

6. Se possível, projetar em uma tela o tempo que falta para terminar a aula.

7. Mudar o nível ou tom de voz durante a exposição.

8. Fazer uma pergunta ou desafio na lousa.

Pedir resumos, manchetes ou cabeçalhos do que acabaram de escutar na aula (por exemplo: O que foi mais interessante sobre…?).

9. Utilizar exemplos próximos, analogias ou metáforas relevantes.

10. Controlar o nível de dificuldade da tarefa.

11. Uma dificuldade excessiva ou escassa facilita a desatenção.

12. Utilizar o humor.

13. A variedade estimula a atenção.

Existe uma grande diversidade de estratégias pedagógicas que podem estimular o cérebro e captar a atenção, desde que apresentem mudanças e novidades. Da utilização por parte do docente, por exemplo, de metáforas, histórias, exercícios que proponham previsões, atividades que requeiram analisar diferenças (Jensen e Snider, 2013), debates, leituras, vídeos, até mudanças regulares no ambiente físico de aprendizado que constitui a sala de aula e que ofereçam estímulos visuais. A experiência do professor permitirá manter esse equilíbrio necessário entre novidade e tradição para não provocar um estresse inadequado nos alunos.

Incluir atividades físicas com as crianças menores.

14. Planejar a implementação de pausas para poder desenvolver um jogo ativo entre as tarefas.

15. Avaliar o nível de dificuldade.

Quando uma criança evita o trabalho e se desconcentra da tarefa constantemente, peça que ela avalie o nível de desafio da atividade em uma escala de 1 a 10. Se a criança indicar que a dificuldade tem nível 8 ou maior, pergunte o que poderia ser feito para que a dificuldade da tarefa seja de nível 2 ou 3. Isso permite obter informações sobre como diminuir o nível de frustração.

16. Dividir as tarefas em partes.

Quando a classe ou crianças com dificuldades específicas não conseguem realizar a tarefa. Isso permitirá que a criança ou a classe consiga realizar parte da tarefa, fazer uma pausa e voltar para terminá-la.

Esperamos que algumas destas estratégias ajudem a melhorar o nível de atenção na sua aula.

Referências

BUNCE, D. M.; FLENS, E. A.; NEILE, K. Y. (2010). How long can students pay attention in class?A study of student attention decline using clickers. J. Chem. Educ. 87, 1438–1443.

GUILLÉN, J.C. (2014). La atención en el aula: de la curiosidad al conocimiento.Educación con Cerebro.

BRIGGS, S. (2014). The Science of Attention: How To Capture And Hold The Attention of Easily Distracted Students. InformED.

FRONDEVILLE, T. (2009). How to Keep Kids Engaged in Class. Edutopia. 

REEVES, (2015). 7 Ways to Increase a Student’s Attention Span.

TOKUHAMA-ESPINOSA, Tracey (2011). Mind, brain, and education science.  A comprehensive guide to the new brain-based teaching. W. W. Norton & Company.